A Advocacia Sistêmica ou Direito Sistêmico referem-se somente a um processo de conciliação ou mediação entre as partes? A partir dessa semana teremos a oportunidade de trazer informações sobre esse novo olhar para o Direito e para a Advocacia: o Sistêmico.

O advogado sistêmico primeiramente, ou inevitavelmente, ele decide se aprofundar nas suas questões internas. Decide olhar para seus próprios conflitos, podendo assim dizer, aprofundar-se para depois ter condições mentais, emocionais e intelectuais para ajudar o cliente a desenvolver um “olhar” para o conflito e quem sabe, depois alcançar uma consciência que o auxilie na solução do mesmo. Posto que o posicionamento do cliente poderá ser outro depois dessa “tomada de consciência”.

“As ferramentas sistêmicas que podem contribuir no exercício dessa advocacia, são várias, sendo a Constelação Familiar, a PNL e o Coaching Sistêmico, considerando a forma de abordagem e atendimento do cliente. Em especial, podemos verificar que as constelações familiares são ferramentas de visualização desses sistemas e suas conexões, desenvolvida pelo alemão Bert Hellinger, está cada vez mais sendo utilizada na medicina, psicologia, pedagogia e outras áreas do conhecimento. Seu uso no judiciário teve como precursor o Juiz de Direito Dr. Sami Storch, que cunhou o termo Direito Sistêmico, definindo-o como “…uma visão sistêmica do direito, pela qual só há direito quando a solução traz paz e equilíbrio para todo o sistema”.

Portanto, a dinâmica desse atendimento que pode ter o uso de várias ferramentas sistêmicas, poderá auxiliar o cliente compreender o seu conflito, a sua dor, o seu desconforto com algo ou com alguém, naquele momento. E dessa forma, após esse processo de consciência do cliente sobre os fatos, o advogado poderá elaborar o instrumento jurídico que buscará atender da melhor forma as necessidades do mesmo, podendo ter soluções satisfativas e menos demoradas, que poderá ser um acordo ou até mesmo um processo judicial, mas que tramitará de uma forma mais amena e até mesmo mais célere.

Portanto, a advocacia sistêmica trata-se de algo inovador, mas que propõe o uso de ferramentas sistêmicas, a favor da Justiça, da Paz aos conflitos trazidos pelos clientes.

Propõe-se uma busca de uma verdade dos fatos com o apoio dos envolvidos, das partes, dos advogados, do Judiciário, ou seja, de todo os sistemas envolvidos.

Gratidão!

Fonte: Rafaela Caudeu – Advogada Sistêmica, inscrita na OAB/SP 225.058.

Presidente da Comissão de Direito Sistêmico da 30ª Subseção de São Carlos.